A Uezo é a única universidade pública da Zona Oeste e além da questão dos professores, enfrenta outras dificuldades, como a falta de campus próprio. Atualmente, as atividades da universidade acontecem nas dependências do Instituto de Educação Sarah Kubitschek (IESK).

“Está cada vez mais difícil cumprir o principal papel da Uezo que é contribuir para o Estado, em especial a Zona Oeste, formando alunos na graduação superior com qualidade. A qualidade já fica comprometida com a desvalorização do docente, além do acúmulo de horas de aula, embora 100% tenham doutorado. A falta de oferta de disciplinas pode gerar o caos institucional, além de gerar dúvida e ansiedade no aluno em relação ao oferecimento das matérias necessárias para completar seu curso. Estamos estabelecendo convênios de mobilidade com outras IESs para preencher algumas lacunas, mas isto obviamente não é suficiente. Caso a suspensão da posse se concretize, não saberemos como será o futuro, poderemos até entrar em colapso, considerando que a permanente desvalorização ainda ocasiona a saída de outros que já fazem parte do quadro”, alerta Vânia.

Na próxima segunda-feira (13), a equipe de reportagem da TV Globo estará na universidade para reportagem sobre a situação, a partir das 8h30. O comparecimento e apoio de toda a população no local é muito importante para o atendimento às pautas da Uezo.

Leia também: http://acicg.org.br/2017/09/01/representantes-da-acicg-e-uezo-estiveram-em-brasilia-em-busca-de-solucoes-para-a-universidade/

Imagem: https://goo.gl/images/ndAeQW