fbpx

Debate da Globo é marcado por acusações e direitos de resposta

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

último debate entre os candidatos ao governo do Rio de Janeiro em 2018, começou às 22h e foi até quase uma hora da manhã. Se começou meio sonolento, aos poucos foi esquentando, ao ponto de no último bloco ter uma série de direitos de respostas que levaram a Globo a ter cancelado um dos blocos de propaganda.

O debate ficou marcado por uma tabelinha entre Eduardo Paes (DEM) e Pedro Fernandes (PDT), que se perguntaram 5 vezes, mais do que qualquer dos outros candidatos. Paes também foi bem, já que apanhou pouco, a briga foi entre os outros candidatos.

Romário (Podemos) que começou o debate parecendo que tinha misturado Rivotril, Diazepan e Maracujina, acordou no último bloco quando partiu para cima de Indio e Wilson Witzel (PSC). A agressão a Witzel chegou a ponto de chamar o ex-juiz, que foi responsável por desmantelar organizações criminosas, de frouxo, o que, claro, gerou mais um dos direitos de resposta.

 

Mas quem estava mesmo em modo full pistola foi Indio da Costa (PSD) e foi bastante criticado por isso nas redes sociais. Ele atacou Romário, Eduardo Paes, Marcia Tiburi (PT), Witzel, só não atacou Tarcisio Motta (PSol) e Fernandes. Mas também apanhou bastante, e de todos os candidatos. Talvez tenha sido o grande derrotado do debate.

Enquanto Tiburi e Tarcisio tiveram atuações apagadas, enquanto a candidata do PT ficava no tema mulheres e Lula, chatíssimo como sempre. O do PSol repetiu o mesmo de sempre, tem grande oratória e tudo, mas não fez o suficiente para se destacar.

Mas dá para dizer que houve 2 grandes vencedores, o primeiro foi Pedro Fernandes, que foi muito elogiado nas redes sociais. A atitude plácida e tratando de propostas com todos os candidatos, além de uma excelente educação surpreendeu a muitos que não conhecia o jovem representante do clã Fernandes.

O outro candidato que bem se apresentou foi Wilson Witzel, apesar de ter apanhado bastante, inclusive sendo chamado de frouxo e fofoqueiro (desta vez por Tiburi) se saiu bem e se apresentou para o eleitorado do Bolsonaro, que deve ter sido um de seus objetivos.

Além de Indio, que mostrou uma faceta raivosa, o Romário também foi um perdedor, já que mostrou um total despreparo e desconhecimento dos problemas do estado. Quando perguntado por Fernandes sobre a Barreira Fiscal do Rio, o ex-jogador pensou ser uma pegadinha sobre economia e não conseguiu responder, ou seja, nem passar pela Dutra parece que ele passa.

E o que você achou do debate?

Diretor de mídias sociais na Agência B5, palestrante, publicitário, Defensor do Carioca Way of Life e Embaixador do Rio. Começou o Diário do Rio em 2007 e está a frente dele até hoje o levando ser um dos principais portais sobre o Rio de Janeiro.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.