fbpx

Quase R$ 400 milhões de dinheiro público foram gastos em 2018 com estádios construídos para Copa de 2014

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Apenas em 2018, quatro anos após o fim da Copa do Mundo no Brasil, quase R$ 400 milhões saíram dos cofres públicos para cobrir gastos com estádios construídos para o Mundial. Até arenas consideradas sucesso de público, como o Mineirão, ainda dão dor de cabeça aos governos estaduais.

Em 2014, para que a Copa fosse viabilizada, foram gastos R$ 8,3 bilhões em estádios, segundo dados do Ministério do Esporte. O BNDES financiou boa parte do montante — e, em muitos casos, os empréstimos foram tomados por governos estaduais, sozinhos ou em parcerias com o setor privado (PPPs).

Em três casos, o pagamento anual dos governos para diminuir o montante dos empréstimos supera os R$ 100 milhões: Mineirão (R$ 132 milhões, Arena das Dunas (R$ 120 milhões) e Fonte Nova (R$ 108 milhões).

Os três são administrados por concessionárias ligadas às empreiteiras responsáveis pela sua construção.

A Arena Fonte Nova recebe os jogos do Bahia, que está na Série A, mas a Arena das Dunas depende exclusivamente do América de Natal, que tem média de público menor do que quatro mil torcedores. É um dos estádios que buscou alternativas completamente fora do escopo inicial para manter o local ativo diariamente, recebendo eventos como o Carnatal, além de festivais de música, feiras de negócios e até festas universitárias.

— A adoção do modelo multiuso tem o propósito de tornar os espaços mais atrativos e ampliar o público de interesse para além do futebol — diz Italo Mitre, presidente da concessionária que administra o estádio em Natal.

Elefantes brancos em Natal, Cuiabá e no DF

Estados que adotaram outras fórmulas para assegurar os jogos da Copa e assumiram o controle do estádio também não conseguem sair do prejuízo. Arena que desde antes da reforma já era apelidada de “elefante branco”, o Mané Garrincha, em Brasília, custou, em 2018, R$ 700 mil por mês aos cofres do DF.

A Arena Pantanal, no Mato Grosso, gera um gasto anual de R$ 3 milhões ao estado. O principal clube é o Cuiabá, que subiu este ano para a Série B.

O Mané Garrincha custou R$ 700 mil por mês ao Governo do DF

O Mané Garrincha custou R$ 700 mil por mês ao Governo do DF Foto: Brenno Carvalho

Em Pernambuco, a ideia era que os três grandes clubes do estado fizessem seus jogos no local, mas apenas o Náutico firmou parceria para tirar seus jogos do Estádio dos Aflitos, que, porém, foi reinaugurado mês passado. A tendência é de que a arena de R$ 532 milhões, e que custou R$ 10,9 milhões aos cofres do estado o em 2018, fique abandonado.

No Ceará, a Secretaria de Esportes compartilhará com Ceará e Fortaleza a administração, após um gasto de R$ 518 milhões com a concessionária desde o início das reformas da Arena Castelão, em 2010.

Fla quer Maracanã

Segundo a concessionária do Maracanã, que desde a reforma é quem adiministra o estádio, todos os investimentos realizados desde o início da concessão foram privados. Por isso, a empresa assumiu todos os prejuízos desde 2013, que já somam cerca de R$ 200 milhões. Em setembro do ano passado, uma decisão judicial cancelou a concessão.

O governo estadual tenta realizar nova licitação em busca de interessados na gestão do estádio. Presidente eleito do Flamengo, Rodolfo Landim, já demonstrou interesse em participar da administração.

— O Flamengo quer ter participação na gestão do Maracanã, até porque entende que o Maracanã não vai se sustentar sozinho — disse Landim, que já conversou sobre o estádio com o governador Wilson Witzel.

Fonte: Extra Online –

Comentários
Carregando...