fbpx

Especialista orienta sobre risco de contaminação pela água

Nos últimos dias, a população da cidade do Rio de Janeiro tem relatado episódios de diarreia e náusea, entre outros sintomas, supostamente causados por contaminação pela água distribuída pela Cedae. “Acredite na sua percepção. Coloque a água em um copo transparente e observe. Se ela possuir cor ou odor estranhos, não beba. Essa água não é potável”, recomenda o professor Gandhi Giordano, do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da Faculdade de Engenharia da UERJ, pesquisador sobre controle da poluição e tratamento da água.

Muitos moradores da Zona Norte e da Zona Oeste alegam que a água tem apresentado cor amarronzada, odor forte e sabor de terra. Segundo nota da Cedae, foi identificada a presença da substância Geosmina, produzida por algas. De acordo com a companhia, tal substância não apresenta risco à saúde e pode ser consumida pela população. Porém, os cariocas continuam se perguntando sobre o que fazer para não correr riscos. “Se você tem condições de comprar água mineral, dê preferência apenas ao seu consumo até que a situação ser normalizada”, orienta Gandhi Giordani.

O especialista também aconselha a realizar limpeza constante nos reservatórios de água e nos filtros, com a troca de velas de carvão, para evitar contaminação por micro-organismos. “Higiene é fundamental. Nosso saneamento básico é deficiente. Trata-se também de uma questão de educação e participação das pessoas”, diz Giordano.

Em viagens ou lugares desconhecidos, a recomendação é confiar somente na água industrializada. “Dependendo do estado da água, até escovar os dentes pode conter riscos de contaminação”, alerta. As doenças mais comuns ligadas à contaminação da água são a gastroenterite, verminoses e doenças de pele.

Carregando...
Botão Voltar ao topo
Fechar