Polícia prende um dos suspeitos de construir e vender prédios que caíram na Muzema

Dois procurados ainda estão foragidos

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Agentes da Polícia Civil prenderam, na tarde deste sábado, Rafael Gomes da Costa, 26 anos, apontado como um dos vendedores dos apartamentos que caíram na comunidade da Muzema, no Itanhangá, Zona Oeste do Rio, no dia 12 de abril. Vinte e quatro pessoas morreram na tragédia.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Rafael Gomes - Reprodução
Rafael Gomes – Reprodução

De acordo com a delegada Adriana Belém, o corretor se entrego na delegacia do Leblon e foi conduzido pelas equipes para a 16ª (Barra da Tijuca), responsável pelas investigações.

O homem é acusado de homicídio por dolo eventual ao lado de outros dois suspeitos. No dia 19 de abril, o Tribunal de Justiça havia decretado a prisão preventiva dele, José Bezerra de Lima, o Zé do Rolo, e Renato Siqueira Ribeiro. A dupla, no entanto, segue foragida. A polícia fluminense trabalha em parceria com investigadores de Pernambuco e Paraíba. É que os três suspeitos podem estar nestes dois estados do Nordeste.

Rafael Gomes - Reprodução TV / GloboNews
Rafael Gomes – Reprodução TV / GloboNews

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Na tarde desta quinta-feira, o ex-presidente da associação de moradores da Muzema, Leandro Correa, prestou depoimento na Delegacia de Repressão as Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco/EI), no Centro do Rio, no inquérito que apura a influência da milícia na construção de imóveis na região.
Ele chegou ao local acompanhado da advogada Vanessa Lopes, a mesma que defende Marcelo Diniz Anastácio da Silva, atual presidente da associação. Por uma hora, o ex-presidente contou que comandou a associação entre os anos de 2011 e 2015 e que deixou a direção após problemas de saúde. O DIA apurou que o homem afirmou que não tem conhecimento da atuação de milicianos na comunidade e que a associação de moradores não lucraria com a venda de imóveis no local onde desabaram os dois prédios.
Foi a primeira vez que Correa foi chamado a Draco à se explicar. Ele foi intimado como testemunha no inquérito que a especializada apura o envolvimento de grupos paramilitares nas construções irregulares na Muzema, Rio das Pedras e em vários outros bairros da Zona Oeste. O homem não explicou se tem ou não ligações com José Bezerra de Lira, conhecido como “Zé do Rolo”, apontado por testemunhas como sendo o dono dos prédios que desabaram.

 

Fonte: O Dia 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...

Send this to a friend