Preso morre com meningite em Presídio da Zona Oeste. Carcereiros temem surto

Possível surto assusta funcioários

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

 

 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Um preso morreu com suspeita de meningite no Complexo de Presídios de Gericinó, segundo informações da Coordenação de Saúde da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária. O fato ocorreu na Cadeia Pública Paulo Roberto Rocha, que faz parte do complexo, e a suspeita é de que o óbito tenha sido causado pela meningite bacteriana

Há informações de outro detento pode ter morrido por conta da doença, o que leva preocupação aos funcionários do local, uma vez que a doença é transmissível. O Sindicato dos Servidores do Sistema Penal do Rio (SindSistema) entrou em contato com Gilson Nogueira, subsecretário Adjunto de Tratamento Penitenciário, que afirmou que providencias foram tomadas no sentido de conter uma possível proliferação da doença nas instalações do presídio.

Veja Também

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Foram ministradas doses de Cipro 500 – medicamento usado no tratamento de infecções – em servidores e internos que tiveram algum tipo de contato com o preso que morto, além de terem sido disponibilidades 200 para uso dos servidores.

Um representante da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) vai se reunir, nesta quarta-feira, 10 de abril, com a desembargadora Maria Angélica, o secretário de Saúde do Estado e o secretário de Estado de Administração Penitenciária para tratar da situação. Acautelamentos, visitas e saídas de presos para fóruns estão suspensas.

Em nota, a Seap informou que está aguardando resultados de exames e que 1.750 internos e servidores estão recebendo quimioprofilaxia. Visitas estão suspensas.

Confira a nota: A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) informa que vem acompanhando desde o dia 8, dois casos suspeitos de meningite bacteriana causando a morte de dois internos da unidade Paulo Roberto Rocha, no Complexo de Gericinó. Foram coletadas amostras e estão sendo aguardados resultados de exames. A Seap, através de sua coordenação de saúde com o apoio Secretaria de Estado de Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde, já está tomando todas as providências cabíveis. Os 1.750 internos da unidade, assim como os servidores que tiveram contatos com os presos estão recebendo quimioprofilaxia. Visitas e qualquer saída de presos da unidade foram suspensas temporariamente em caráter emergencial. Dez presos foram isolados para que sejam feitas coletas de sangue na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Gericinó.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...

Send this to a friend