Sobre o Seu Pedro, o melhor Uber que já peguei na vida

acg

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

por lucas evangelista

Sobre o Seu Pedro, o melhor Uber que já peguei na vida
.
Estava eu me preparando para palestrar mais uma vez num Centro Espírita aqui em Manaus. Me convidaram para falar sobre Desigualdade Sociais, que é um tema super delicado e difícil. Li bastante no decorrer da semana e me preparei como pude, como em qualquer outra palestra.
.
Quando chegou o dia da palestra, pela noite, resolvi pedir um 99 (a narrativa a seguir não é nada contra o 99, é só um relato do que aconteceu, tenho andado bastante de 99 inclusive). O primeiro motorista cancelou a viagem, o segundo perguntou se era cartão ou dinheiro e eu, ingenuamente, “Boa noite, é cartão”, e cancelou a corrida em seguida, o terceiro aceitou a corrida e ficou parado por quase 5 minutos, e então fui forçado a cancelar. Como precisava muito chegar no centro espírita para palestrar, pedi um Uber.
.
Dentro de 2 minutos estava dentro do carro do Seu Pedro, um senhorzinho gentil e muito amoroso. Em segundos já estávamos falando sobre minha palestra e o tema. E então, com extrema humildade, Seu Pedro me narra uma história sua da semana passada.
.
Seu Pedro trabalha no Distrito de Manaus, numa empresa que fabrica triciclo, e como está de férias faz bico de Uber pra ganhar um extra. Ele sempre dá dinheiro no semáforo, não julga, não questiona, deixa a consciência da pessoa que recebe tome a decisão poe conta própria do que fazer com a esmola. No dia em questão ele já havia dado 4 esmolas e então estava sem moedas no carro. Ele olhou de relance e viu uma placa “VENEZUELANO, PRECISO DE TRABALHO. Aqui em Manaus já são mais de 60 mil refugiados venezuelanos que buscam uma condição de vida melhor. Há inúmeros casos tristes, de gente batalhadora que fugiu da Venezuela, inclusive de uma Diretora de hospital de lá, com mestrado e tudo, que hoje luta pra ser diarista aqui em Manaus. “Meu filho, eu não sou rico não, sabe?”, disse Seu Pedro, “Mas sabe o que eu fiz?”.
.
Seu Pedro parou o carro de um lado da avenida e buzinou, e o venezuelano veio correndo em sua direção. Eles bateram um papo rápido, seu nome era Jona, ele tinha quase a minha idade, 21 anos (tenho 22), e na sua cidade não havia mais comida, por isso ele fugiu do seu país até chegar em Manaus, onde estava com esperança de mudar sua vida pra melhor. “Meu filho, você tem problema de entrar no meu carro?”, perguntou Seu Pedro. Jona estranhou, mas entrou no carro. Sabem o que Seu Pedro fez? Ele deu meia-volta, pegou o primeiro retorno e foi direto pra casa. Já era do almoço.
.
Quando chegou em casa, ele conduziu Jona até dentro de casa. Um desconhecido. Alguém que ele não conhecia a índola. Não sabia se era perigoso ou não. Seu Pedro lhe deu uma toalha e lhe indicou onde era o banheiro, para ele pudesse tomar banho. Enquanto Jona tomava banho, Seu Pedro correu pra cozinha e fez uma comida rápida, aqueceu o que já estava pronto e serviu. Quando Joana saiu do banheiro, ambos comeram juntos. Até aí Jona estava transbordando gratidão, completamente grato ao ato de pura generosidade de Seu Pedro. Mas Seu Pedro precisava voltar pra rua pra trabalhar. Colocou Jona, limpo e alimentado, dentro do carro e levou de volta para o mesmo lugar na avenida onde havia o pegado, mas não sem antes tirar do bolso uma nota de R$ 20,00 e entregar para Jona. “Meu filho, pege esse dinheiro. Faça seu currículo e tire cópias, eu vou voltar mais tarde para pegar seu currículo e distribuir pra você.”
.
No final do dia, já noitinha, Seu Pedro voltou e encontrou Jona no mesmo lugar da avenida. Jona havia feito 5 cópias de seu currículo. “E sabe de uma coisa? O currículo dele era maravilhoso, meu filho”, disse Seu Pedro pra mim. No dia seguinte, Seu Pedro foi deixar o currículo de Jona no RH da empres em que trabalhava.
“De quem é esse currículo?”, perguntou a senhora do RH. “É de um amigo meu, fulana.”
“Ah, legal, ele é de onde?”
“Ele é venezuelano.”
Dona Fulana fez careta. “Não podemos aceitar ele”, disse ela.
“Porque não?”
“Porque ele é venezuelano, ele não vai saber falar nada.”
Seu Pedro respondeu com outra careta. “Achei que a gente estava aqui pra trabalhar e não pra falar.”
Dona Fulana riu e desconversou. E aí vem a Providência Divina pra faze graça. O Diretor da empresa entrou na sala do RH bem nessa hora. Cumprimentou Seu Pedro e Dona Fulana, e perguntou o que estava acontecendo. Seu Pedro explicou o ocorrido e o Diretor pegou o currículo de Jona pra ler. Longo em seguida respondeu, “Ele está contratado, começa essa segunda já. Dona Fulana, quero que você providencie tudo, todos os exames médicos, roupa, botas, tudo.”
.
Nesse dia Seu Pedro voltou felicíssimo pra casa. Voltou e lá estava Jona, no semáforo, com a mesma placa de papelão, pedindo emprego. Seu Pedro buzinou e Jona veio correndo até seu encontro mais uma vez. Nem preciso dizer o quanto Jona ficou agradecido. “Meu filho, esteja pronto às 6h40, vou te levar no seu primeiro dia de trabalho. Vou passar bem aqui, nesse horário. A partir de agora vamos pro trabalho juntos”.
.
Quando chegamos no meu destino, Seu Pedro me abraçou, me deu um beijo carinhoso na bochecha e me desejou boa palestra, dizendo que ela ia ser um sucesso. Ainda me deu o seu número de celular, “Meu filho, você é um bom garoto, fala bem e tem cabeça diferente do jovem da sua idade. Se precisar de qualquer coisa, alguém pra conversar, só me ligar, vai com Deus”. Mal ele sabia que ele tinha mudado completamente todo o escopo da minha fala naquela noite.
.
Homenagiei Seu Pedro na palestra. Falei do seu exemplo e do quanto me tocou, ao mesmo tempo que falei das desigualdade Sociais. Porque, afinal, a fome machuca. A dor dilacera. “O mundo está perdido”, dizem uns. Mas Seu Pedro… tinha tudo pra ir pelo caminho comum. Ele podia reclamar, criticar, julgar, apontar o dedo, mas escolheu a “parte boa” (Lucas 10:42).
.
Acontece que em muitas ocasiões nós olhamos para os infortunados da vida, os sofredores de todos os dias, o mendigo faminto, o animal abandonado, e perguntamos “Onde está Deus? Porque tanto sofrimento”, mas precisamos lembrar que a desigualdade é obra do homem e não de Deus, e que se temos olhos para ver, também temos braços pra fazer. Seu Pedro olhou e seguiu Jesus, mesmo sem saber. Seu Pedro fez a diferença. Seu Pedro me inspira. Seu Pedro é uma daquelas pessoas que te fazem acreditar num mundo melhor. Onde quer que esteja, Seu Pedro, esteja em paz, iluminando muitos caminhos.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...

Send this to a friend